Português Português

Neste livro, originado de sua tese de doutoramento, Luciana Carvalho busca oferecer à sociedade meios para se transformar, e, às mulheres, um instrumento para seu empoderamento. A partir desses relatos de parto, desconstruindo e reconstruindo os significantes e os significados, numa linguagem fluida e acessível, estrutura um texto para que suas leitoras possam se apropriar dessa linguagem, decodificar-se, fortalecer-se e empoderar-se. Nos indica que o processo de recuperação do parto, em nossa cultura, passará também pela linguagem.

A autora assinala o papel do discurso na instauração, manutenção e superação dos problemas sociais e, por meio da Análise Crítica do Discurso, revela relações de poder construídas por meio da linguagem. Na linguagem é possível identificar marcas ideológicas que desestabilizam ou reforçam o poder – o discurso hegemônico. Numa relação entre o profissional médico e a gestante, e depois parturiente, há dominância social e política. No hospital, há o controle do corpo. As desigualdades são reforçadas e reproduzidas por meio do discurso e das práticas. E o poder hegemônico é legitimado pela mídia e pelo convívio social – a naturalização coroa a ideologia dominante.

Com esse riquíssimo material, e com suas reflexões sempre bem fundamentadas e oportunas, Luciana nos tira da zona de conforto e aciona nossa indignação: é preciso mudar, e a mudança passa pela linguagem.

Trecho da apresentação escrita por Daphne Rattner
Médica epidemiologista, professora da Universidade de Brasília e presidente da Rede pela Humanização do Parto e Nascimento - ReHuNa

Eu não quero [outra] cesárea
Ideologia, relações de poder e empoderamento feminino nos relatos de parto após cesárea
Autora: Luciana Carvalho
Formato: 24 x 17 cm
Papel: Off-set
Nº de páginas: 272
Peso: 400g
ISBN: 978-85-67695-03-7
Preço: 65 reais
Editora: Ema Livros

Eu não quero [outra] cesárea
€13,42
Esgotado
Eu não quero [outra] cesárea €13,42

Neste livro, originado de sua tese de doutoramento, Luciana Carvalho busca oferecer à sociedade meios para se transformar, e, às mulheres, um instrumento para seu empoderamento. A partir desses relatos de parto, desconstruindo e reconstruindo os significantes e os significados, numa linguagem fluida e acessível, estrutura um texto para que suas leitoras possam se apropriar dessa linguagem, decodificar-se, fortalecer-se e empoderar-se. Nos indica que o processo de recuperação do parto, em nossa cultura, passará também pela linguagem.

A autora assinala o papel do discurso na instauração, manutenção e superação dos problemas sociais e, por meio da Análise Crítica do Discurso, revela relações de poder construídas por meio da linguagem. Na linguagem é possível identificar marcas ideológicas que desestabilizam ou reforçam o poder – o discurso hegemônico. Numa relação entre o profissional médico e a gestante, e depois parturiente, há dominância social e política. No hospital, há o controle do corpo. As desigualdades são reforçadas e reproduzidas por meio do discurso e das práticas. E o poder hegemônico é legitimado pela mídia e pelo convívio social – a naturalização coroa a ideologia dominante.

Com esse riquíssimo material, e com suas reflexões sempre bem fundamentadas e oportunas, Luciana nos tira da zona de conforto e aciona nossa indignação: é preciso mudar, e a mudança passa pela linguagem.

Trecho da apresentação escrita por Daphne Rattner
Médica epidemiologista, professora da Universidade de Brasília e presidente da Rede pela Humanização do Parto e Nascimento - ReHuNa

Eu não quero [outra] cesárea
Ideologia, relações de poder e empoderamento feminino nos relatos de parto após cesárea
Autora: Luciana Carvalho
Formato: 24 x 17 cm
Papel: Off-set
Nº de páginas: 272
Peso: 400g
ISBN: 978-85-67695-03-7
Preço: 65 reais
Editora: Ema Livros